El Niño, o Monstro de Duas Caras

El Niño em janeiro  NOAA

Aspeto do efeito do El Niño em janeiro. Foto: NOAA


Nos últimos meses, o planeta tem sofrido o impacto do maior El Niño de que há registo desde a década de 90. Sinónimo de caos e destruição para uns, prelúdio de júbilo e êxtase para outros, a temível criança do Pacífico tem deixado poucas regiões do globo imunes aos seus caprichos, por vezes milagrosos, outras vezes maléficos, mas sempre imponentes e inescapáveis. Qual Jekyll e Hyde, mostramos as duas faces do monstro que emergiu das águas do Pacífico para "desarrumar" o planeta e, no processo, levar a comunidade internacional do surf ao rubro.


Por Susana Santos


Nos últimos meses, o mundo tem sido abalado pelos efeitos do maior El Niño de que há registo desde finais dos anos 90. A par das temperaturas anormalmente altas registadas à superfície do Oceano Pacífico, a marca clássica do fenómeno, o presente El Niño não só recebeu a classificação de strong event — algo que só acontece quando a temperatura das águas superficiais se mantem 1,5ºC ou mais acima da média durante três meses consecutivos, o que se verificou entre maio e julho do ano passado —, como desde cedo o fenómeno começou a manifestar-se em áreas nunca antes abrangidas, com a temperatura das águas superficiais nas margens da América do Norte a atingir valores nunca antes registados (historicamente o El Niño sempre se concentrou na região equatorial do oceano).

 

Em suma, as temperaturas no Pacífico nunca se mantiveram tão altas durante tanto tempo e numa área tão vasta, o que levou a comunidade internacional de cientistas a apelidar o inédito fenómeno de "El Niño Godzilla". O epíteto teve adesão fácil nos media internacionais, que não perderam tempo a alertar as populações para os efeitos imprevisíveis e potencialmente catastróficos de um fenómeno que a humanidade se habitou a temer mesmo quando se manifesta dentro dos padrões normais, tendendo a produzir secas e fogos florestais em algumas regiões do globo e chuvas torrenciais e inundações noutras, com consequências graves para a agricultura, pecuária e comunidades humanas.

 

Pedro Calado JawsPedro Calado no swell do ano em JawsEm contraciclo com o resto do mundo, o presente El Niño foi também amplamente antecipado pela comunidade internacional do surf (bom, parte dela), que sempre encontra no fenómeno motivos de celebração. Produzir ondulações (muitas e das grandes) e "acordar" picos normalmente adormecidos — especialmente na costa oeste da América do Norte e, claro, nas ilhas havaianas — são alguns dos efeitos colaterais de um fenómeno que a maioria associa a destruição e caos mas uma mão cheia de surfistas (e nem se pode dizer todos...) tende a encarar com expetativa e entusiasmo.

 

Com efeito, as últimas semanas têm sido bem animadas na Califórnia e no Havai, com sessões dramáticas em Mavericks, surfadas épicas em Pipeline, Sunset e Waimea, momentos históricos em Jaws, o WSL Big Wave World Tour a receber luz verde em Todos Santos e a proporcionar um dos campeonatos de ondas grandes com mais ondas surfadas e maiores pontuações de sempre e o normalmente recatado sandspit de Santa Barbara a proporcionar momentos alucinantes.

 

Temperatura de 2015 na Terra em comparação com a média de 1951-1980. As áreas a vermelho escuro indicam onde foram registados recordes de aumento de temperatura  Berkeley EarthTemperatura de 2015 na Terra em comparação com a média de 1951-1980. As áreas a vermelho escuro indicam onde foram registados recordes de aumento de temperatura. Foto: Berkeley Earth

 

No reverso da medalha, contudo, a dimensão catastrófica do El Niño tem-se manifestado de forma implacável, dando razão aos especialistas que o previram como um dos fenómenos de alteração climática mais potente dos últimos 65 anos. Qual Edward Hyde, o alter-ego maléfico do Dr. Jekyll no filme de 1960 "O Monstro de Duas Caras", o presente El Niño tem tido as suas fases de caprichosa euforia hostil, produzindo estragos um pouco por todo o mundo, da Califórnia à Austrália, do Sul de África à Indonésia. Como uma doença autoimunitária, o fenómeno nascido nas entranhas do Pacífico voltou a virar-se contra o próprio planeta, começando por provocar uma subida de 0,1ºC da temperatura média da Terra que tornou 2015 no ano mais quente de sempre (desde que há registos, há mais de 100 anos) por uma margem considerável.

 

Focos de fogo na Austrália a 21 de janeiro de 2016  LandgateFocos de fogo na Austrália a 21 de janeiro de 2016. Foto: LandgateNa Austrália, os termómetros superaram os 40ºC no estado de New South Wales na passada quarta-feira, com a cidade de Wilcannia a apresentar-se como um dos pontos mais quentes do planeta (46ºC). Em dezembro bateram-se recordes de calor no sudoeste australiano e antes disso o Bushfire and Natural Hazards Research Center, plataforma multiorganizacional especializada nas causas, consequências e mitigação de desastres naturais na Austrália e Nova Zelândia, já tinha assinalado "risco acima do normal" de fogos florestais durante o verão (de dezembro a fevereiro) em inúmeras áreas de Queensland, New South Wales, Oeste Australiano e leste da Tasmânia.

 

Longe de serem um fenómeno restrito ao país dos slabs e dos cangurus, as elevadas temperaturas têm assolado a maioria dos países da Asia oriental, afetando desde a criação de gado na Austrália à produção de café no Vietname. Noutras regiões do globo, o El Niño tem-se manifestado ora de forma insólita, com cobras venenosas habitualmente encontradas nas águas tropicais do Pacífico e do Índico a darem à costa em praias californianas, ora de forma dramática, com as Nações Unidas a alertarem para o agravar da fome no Sul de África causado pelas secas provocadas pelo El Niño. Ainda na Califórnia, os media alert têm-se sucedido, prevenindo a população ora para fortes tempestades no norte, ora para ondas de até 25 pés nas margens da costa sul.

 

Imagem captada pela NASA em outubro  NASA Earth ObservatoryImagem captada pela NASA em outubro. Foto: NASA Earth ObservatoryContudo, à semelhança de manifestações anteriores do fenómeno, a criança mais temida do Pacífico reservou a sua pior travessura para um dos destinos mais amados do mundo do surf: a Indonésia. O El Niño transformou o país numa autêntica versão do inferno, com a revista Time a noticiar, no final de outubro, uma crise de saúde pública derivada do fumo provocado por mais de 100 mil (sim, leste bem, cem mil) fogos na região. Segundo uma notícia de outubro no jornal local Jakarta Post, a média diária do PM10 (indicador que mede pequenas partículas poluentes sólidas ou líquidas na atmosfera) na cidade de Palangkaraya encontrava-se acima de 1,000 microgramas por metro cúbico há mais de duas semanas, quando as agências especializadas dizem que a concentração de partículas poluentes no ar não deve exceder os 150 µg/m3 por cada 24 horas. Numa palavra, uma calamidade. Um dos maiores eco-desastres que a região já viveu.

 

Atingindo o pico no corrente mês de janeiro, as previsões indicam que a intensidade do El Niño vai entrar em declínio nos próximos meses até extinguir-se de vez em abril/maio, com um regresso progressivo a padrões meteorológicos mais tradicionais. Brevemente chegará a hora em que o monstro de duas caras dará finalmente tréguas aos que tiveram a sorte, ou o infortúnio, de o encarar. Mas tão cedo o inverno de 2015/2016 não será esquecido. Pelas melhores e pelas piores razões.

 

VIDEO da Greenpeace mostra devastação na Indonésia provoca pelos fogos.

 



BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS
GRID LIST
13263827 1598727057107848 8613664589569657209 n

PALP apela à contestação contra sondagem na Costa Vicentina

Perfuração será efetuada a 46,5 quilómetros da costa vicentina. Foto: PALP
Sesso esclarecimento Praia das Macas copy

Praia das Maçãs recebe sessão de esclarecimento sobre a Exploração de Gás e Petróleo

Sessão irá decorrer no Clube Recreativo da Praia das Maçãs. Foto: Divulgação
13178717 10207080505227265 6187389379648450015 n

Surfista denuncia descarga ilegal de esgoto na onda de Santa Catarina, na Terceira

Água da Praia da Vitória ficou com cor avermelhada. Foto: Daniel Maiato/Facebook
DSC00137

Chicama tornou-se na primeira onda do Mundo protegida por lei

Esquerda peruana é uma das ondas mais compridas do globo.
2b43bf814f6a42a4241fd9e45276f3e0

WSL Pure: World Surf League investe 1,5 milhões para a pesquisa dos oceanos

Chegou a hora de retribuir o que o mar nos tem oferecido ao longo dos anos.…
Campanha RasgaOContrato

Plataforma Algarve Livre de Petróleo reúne-se com o Secretário de Estado do Ambiente

PALP quer ajudar a salvar o Algarve da exploração de petróleo e gás natural.…
2015-11-02 11-17-30

Grandes ideias: Surfistas inventam balde que pretende filtrar a poluição do mar

Andrew Turton e Pete Ceglinski foram os mentores deste aparelho "inteligente".
El Niño em janeiro  NOAA

El Niño, o Monstro de Duas Caras

Aspeto do efeito do El Niño em janeiro. Foto: NOAA
PEEL0024

O plano de Surf Management da Papua Nova Guiné – Vídeo

Um paraíso algures na Oceânia. Foto: Chirs Peel/White Horses
FOTO DE ABERTURA RB 20111214 0074 BELICHE SAGRES

Alerta vermelho no Algarve: operação de sondagem de gás e petróleo alarma surfistas

Estará em risco uma das mais belas (e lucrativas) surf zones de Portugal e da…
12299017 725835520884583 1155350375 n

Mar de Lama tóxica em Regência: Tragédia ambiental faz soar o alarme no Brasil

A onda de Regência é apenas um dos muitos locais afetados pela chegada da lama…
II8A7195

Surfistas presos após manifestação contra obras nas dunas de Montauk

Surfistas não pretendem baixar os braços nesta "guerra".
562287610cf2bf1ee22edd25

Petroleiro encalhado na Baía de Cascais não levanta problemas ambientais

Cargueiro ficou encalhado ao largo de Cascais durante mais de 24 horas. Foto:…
Screen Shot 2015-07-26 at 10

SOS – Salvem o Surf e Carolina Pereira na Global Wave Conference

Evento decorre entre 11 e 15 de outubro no Reino Unido. Foto: Divulgação
bloompad

Apresentado o primeiro deck à base de algas

Aparência e desempenho prometem ser iguais aos pads mais tradicionais.
AZURA

Havai usa energia das ondas para tornar-se 100% autossustentável

A Azura, uma máquina de 45 toneladas, já se encontra instalada no fundo do mar…
polvo

Skeleton Sea celebra Dia do Oceano com escultura inédita

Peça criada a partir de lixo recolhido nas praias da Ericeira será a “guardiã”…
ks

Kelly Slater confronta SeaWorld em conferência anual

A oposição de Kelly Slater à utilização de mamíferos marinhos para…

FOTOGALERIAS