Jovem surfista australiana canta nas ruas para conseguir vir competir a Portugal

8653514b29f9b9cdae84997baa9c3a5b

Pacha está determinada em vir competir a São Miguel nos ISA WJSC. Foto: Luke Marsden

 

Para se ser surfista profissional de topo é preciso muito talento. Isso já todos sabemos. Mas também é necessária alguma prosperidade financeira. E nem todos os jovens possuem esses meios, sobretudo quando falamos numa carreira internacional. Determinada em contornar as limitações financeiras, a jovem australiana Pacha Light, de 15 anos, decidiu mostrar os seus outros dotes nas ruas. Ou seja, cantar.

 

Tudo para conseguir cumprir o sonho de vir competir aos Açores em setembro deste ano. É na ilha de São Miguel que se vai realizar os ISA World Junior Surfing Championship de 2016 e Pacha foi apurada para a equipa australiana depois de se ter sagrado vice-campeã nacional no ano passado. Contudo, a viagem até à ilha portuguesa tem um custo de 10 mil dólares australianos (aproximadamente 6,5 mil euros). Algo que a jovem surfista da Gold Coast não tem.

 

Dessa forma, Pacha Light decidiu colocar em prática dois planos. Um mais de acordo com a nova realidade tecnológica, onde pede ajuda através de uma página de crowdfunding. O outro plano é um pouco mais "old school", cantando pelas ruas em busca de alguns trocos. O plano de Pacha nem parece estar a correr muito mal, pois em apenas uma semana já conseguiu amealhar 800 dólares, o que lhe abre algumas perspetivas de ainda vir competir aos Açores.

 

Curiosamente, o sonho desta jovem em se tornar surfista profissional começou graças aos seus dotes vocais. Tudo se passou há alguns anos durante o Roxy Pro Gold Coast, em Snapper Rocks. Pacha encontrava-se a cantar e dançar junto ao campeonato. A cena não passou despercebido à top do WWT Laura Enever, que teve a amabilidade de lhe dar uma prancha. "Desde esse momento que aproveito todas as oportunidades que tenho para estar na água", confessou Pacha Light a um jornal local.

 

"O surf ajuda-me a esquecer todos os problemas que me aborrecem. Sinto-me revigorada e mais leve quando estou a surfar. Sem qualquer dúvida que se trata da melhor coisa do Mundo. Caso consiga mesmo vir competir aos ISA WJSC, Pacha irá depois até França com o objetivo de ganhar experiência. A jovem aussie assegura ainda que se o montante amealhado for superior ao pretendido, esse dinheiro extra será aplicado em prol do seu outro sonho: chegar ao Women's World Tour.


BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

FOTOGALERIAS