Fiji Pro: Perfeição em Cloudbreak e scores excelentes a caminho dos quartos-de-final

c2f799f71ac4a3bd64f41742e29852ea

Kelly Slater recuperou a sua melhor versão e ofereceu uma verdadeira lição de entubar. Foto: WSL

 

Mais de três meses e cinco etapas depois, eis que o Tour viveu finalmente um dia ao mais alto nível, com tudo aquilo que se pede. Cloudbreak ofereceu condições de excelência e os melhores surfistas do Mundo responderam com scores elevados e um verdadeiro festival de tubos. Isto é o "Dream Tour". Sobretudo, quando nos quartos-de-final as surpresas deram lugar à nata da nata.

 

Kelly Slater, Gabriel Medina, Mick Fanning e Gabriel Medina dominaram as suas baterias esta quinta-feira e afirmaram-se como os surfistas em melhor forma do evento. Surfar condições exigentes de forma sublime não é para qualquer um. Só mesmo para os melhores. E eles provaram isso. O campeão mundial Adriano de Souza, com menor brilhantismo, juntou-se a eles. Assim como o líder mundial Matt Wilkinson. Seria difícil imaginar um elenco melhor que este entre os oito surfistas finalistas.

 

Há ainda espaço para outsiders, como e o caso do brasileiro Wiggolly Dantas e do australiano Ace Buchan, ambos goofys. Mas, até isso, dá beleza ao jogo. Desde que não seja em excesso como em todas as etapas anteriores, onde a lógica foi substituída pela imprevisibilidade. A verdade é que este Fiji Pro está a ser de arromba e, com o mar a subir ainda mais, promete um final em apoteose. Não apenas por ter os melhores do Mundo ainda em prova, mas, acima de tudo, porque ninguém tem dado mais espetáculo que eles.

 

Nata da nata

 

Temos o melhor de sempre: Slater brindou-nos com uma prestação surreal, somando 19,77 pontos, com um 10 pelo meio, e tubos só mesmo ao seu alcance. Mais do que a técnica, o rei tem poderes sobrenaturais nestas condições. Há também o melhor do ano passado: Mineiro mostrou que não precisa de extrapolar o nível como os concorrentes, bastando seguir aquela sua estratégica metódica para chegar-se à frente. Resta saber se essa receita vai continuar a dar resultado numa fase já bastante filtrada.

 

Há ainda o melhor competidor do momento: Gabriel Medina domina todas as vertentes do surf de competição como ninguém e o que está a fazer em Cloudbreak, dividindo as atenções com Slater e John John, prova isso mesmo. Abriu o dia com um super tubo duplo, que lhe valeu um 10, e mostrou que pode muito bem discutir a vitória com qualquer um, sem isso constituir uma surpresa. Há também aquele que é provavelmente o melhor e mais consistente surfista da última década: Mick Fanning foi eficaz como só ele sabe, encontrando tamb+em tocas bem longas e terminando o seu heat com 18,07 pontos.

 

Depois vem o melhor do ano, segundo o ranking: Muitos duvidavam de Wilko nesta etapa, mas a verdade é que o goofy australiano conseguiu vencer uma bateria na 4.ª ronda onde estava também o surfista do evento, depois de este ter conseguindo uma onda perto da perfeição (9,97). Ao bater John John, a única verdadeira ameaça para a liderança do ranking, Matt Wilkinson confirmou que vai de amarelo para J-Bay, uma onda onde o seu basckside promete fazer muitos estragos. Mas mais do que isso, afirmou-se como um verdadeiro candidato, dando a garantia que tirar-lhe a amarela não vai ser nada fácil.

 

Por fim... (mas ainda há mais melhores?) John John Florence. O melhor do campeonato e, quem sabe, o melhor do futuro. Se o havaiano já estava a ser o melhor entre os principais favoritos num arranque de ano aos solavancos, então com a chegada das ondas de consequência parece uma brincadeira para meninos. É verdade que John John caiu na repescagem, após um heat em que falhou o triunfo por muito pouco. Mas na hora da pressão nem sequer tremeu, mostrando novamente que domina tecnicamente estas ondas melhor que os rivais e despachando Jadson Andre com uma suavidade digna do imortal movimento de pés de Muhammad Ali.

 

Duelos intensos

 

Para além do triunfo por goleada de John John, na 5.ª ronda foi possível ainda ver Adriano de Souza a suar bastante para vencer Dusty Payne. Já Wiggolly Dantas esteve em bom nível e nem sofreu muitos sobressaltos num heat em que Michel Bourez andou desaparecido. E só apareceu para fazer uma interferência. Já Ace Buchan venceu o duelo aussie com Josh Kerr, mostrando que surfar de frontside em Cloudbreak pode ser uma vantagem.

 

Agora, com apenas 4 horas de surf pela frente e com ondas de 3 metros e ventos favoráveis a serem esperados para o dia final, especialmente pela manhã, a ação promete entrar em abolição. Principalmente porque poderemos ter duelos do melhor que este Tour pode ver. Os quartos-de-final abrem com Medina a enfrentar Adriano. Daqui sairá certamente o verdadeiro candidato brasileiro a enfrentar a troika gringa na luta pela vitória da etapa. Depois a ação segue com Wiggolly e Kelly. Irá Slater mentar o ritmo e quebrar finalmente o jejum de vitórias?

 

O regressado Mick Fanning parte como favorito no duelo com Ace Buchan, mas parece certo que não vai ter tarefa fácil pela frente. E depois... Depois uma bateria que pode ter bastante influência nas contas do World Tour 2016. Matt Wilkinson mede forças com John John Florence. O número um do campeonato versus o número um do ranking. Se Wilko ganhar vai com boa vantagem para Jeffreys. Se o havaiano continuar a destruir tudo por onde passa, vencendo depois o evento, vai colar-se à liderança. Tem tudo para ser explosivo.

 

Mas melhor ainda é pensar que nas meias-finais poderemos ter Gabriel Medina frente a Kelly Slater e ainda Mick Fanning frente a John John Florence. Os dois expoentes máximos da nova geração e os dois maiores surfistas da geração que agora começa a render a guarda. De acordo com este cenário, qualquer que fosse o elenco da final, estaríamos perante a melhor final do ano. Isto, sim, é o Tour no seu expoente máximo. Obrigado, Fiji Pro. E que chegue depressa as 20 horas em Portugal!

 

Fiji Pro Round 4 Results:
Heat 1:
Gabriel Medina (BRA) 14.60, Dusty Payne (HAW) 11.16, Michel Bourez (PYF) 10.23
Heat 2: Kelly Slater (USA) 19.77, Wiggolly Dantas (BRA) 13.34, Adriano de Souza (BRA) 11.60
Heat 3: Mick Fanning (AUS) 18.07, Josh Kerr (AUS) 15.07, Jadson Andre (BRA) 13.43
Heat 4: Matt Wilkinson (AUS) 16.56, John John Florence (HAW) 16.43, Adrian Buchan (AUS) 15.16

 

Fiji Pro Round 5 Results:
Heat 1:
Adriano de Souza (BRA) 11.34 def. Dusty Payne (HAW) 10.37
Heat 2: Wiggolly Dantas (BRA) 14.27 def. Michel Bourez (PYF) 3.77
Heat 3: Adrian Buchan (AUS) 15.67 def. Josh Kerr (AUS) 10.66
Heat 4: John John Florence (HAW) 17.00 def. Jadson Andre (BRA) 10.17

 

Fiji Pro Quarterfinal Match-Ups:
QF 1:
Gabriel Medina (BRA) vs. Adriano de Souza (BRA)
QF 2: Kelly Slater (USA) vs. Wiggolly Dantas (BRA)
QF 3: Mick Fanning (AUS) vs. Adrian Buchan (AUS)
QF 4: Matt Wilkinson (AUS) vs. John John Florence (HAW)

 



BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

FOTOGALERIAS