Fiji Pro 2016 – Antevisão

9714a96b3209e88ca261a24ed1dbe39d

Será que Cloudbreak nos vai presentear com os seus pesados tubos? Foto: WSL


Após cinco etapas onde o Tour andou entre o morno e o frio, as emoções prometem aquecer com a chegada da perna Pacífico. As Fiji são o destino da elite mundial já a partir da próxima semana, com a pesada esquerda tubular de Cloudbreak a ser o palco de uma das etapas mais aguardadas da temporada. A ação começa já no domingo, com o período de espera a terminar a 17 de junho.

 

Aqui não vai haver espaço para muitas surpresas, pois só quem tem unhas vai conseguir tocar viola. Os mais atirados estarão em vantagem e veremos se o paradigma registado até aqui vai continuar. Matt Wilkinson continua firme na liderança, enquanto John John Florence é o único dos habituais favoritos que está bem dentro da luta. As Fiji prometem definir um novo rumo para a segunda metade da temporada.

 

Com a lista de heats já definida há algum tempo, e com os wildcards também anunciados, está tudo a postos para o arranque da competição. Só falta as ondas. E poucos são os que não se lembram da prova do ano passado, onde Owen Wright fez história ao conseguir por duas vezes um score de 20, vencendo a competição. No entanto, este ano não há Owen e também pode não haver uma ondulação pesada...

 

Spot do evento? Cloudbreak é o palco principal do evento. Restaurants é o palco alternativo. Ambos reef breaks de esquerdas.

 

O que procuram os juízes? Aqui o tubo é o rei, mas para isso acontecer é preciso que cheguem até Tavarua as condições certas. As manobras mais destemidas nas partes mais críticas da onda também serão bem recompensadas.

 

Previsões? As últimas previsões vindas das Fiji não são muito animadoras, sobretudo para o final do evento. Nos primeiros dias de espera até vai chegar algum swell consistente a Tavarua, mas depois parece que vêm dias mortos a caminho para a segunda semana. Rezemos para que o forecast esteja avariado...

 

Horário? São 11 horas de diferença para Portugal. Ou seja, às 8 horas nas Fiji serão 21 horas em Portugal Continental.

 

Quem vai estar em prova? O top 34 mundial e mais dois wildcards (Taj Burrow e Tevita Gukilau)

 

Quem são os campeões em título? Owen Wright

 

Rookies? No Tour masculino há sete rookies: os australianos Davey Cathels, Jack Freestone e Ryan Callinan, os norte-americanos Kanoa Igarashi e Conner Coffin e os brasileiros Caio Ibelli e Alex Ribeiro.

 

Locais das Fiji no Tour? Ninguém.

 

Quem está em altas? John John Florence, Jack Freestone, Adriano de Souza.

 

Quem precisa de um resultado? Todos os grandes favoritos ao título, como Gabriel Medina, Julian Wilson, Jordy Smith ou Filipe Toledo precisam de um resultado para chegarem-se mais à frente no ranking. Outros nomes como Kelly Slater, Mick Fanning, Jeremy Flores ou Josh Kerr necessitam de um resultado também, mas para sair dos perigosos lugares fora da requalificação.

 

Apostas seguras? John John Florence, Gabriel Medina, Mick Fanning.

 

Quem pode surpreender? Caio Ibelli, Ryan Callinan, Seabass.

 

Darkhorse? Taj Burrow, Wiggolly Dantas, Michel Bourez.

 

Lesões (conhecidas)? Owen Wright e Bede Durbidge continuam de fora por lesão e serão substituídos por Stu Kennedy e Sebastian Zietz. O mesmo acontece com Joel Parkinson, que é baixa de última hora. Dusty Payne entra para o seu lugar.

 

heat draw fiji copy copy



BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

FOTOGALERIAS