Frederico Morais eleva o nível a caminho da 5.ª ronda do QS6000 de Chiba

a1a813906eea13c81ce6b503453c789c

Mesmo com condições complicadas, Kikas continua a evidenciar domínio sobre a concorrência. Foto: WSL

 

Se dúvidas existiam em relação ao sensacional momento de forma que Frederico Morais atravessa, esta sexta-feira foram todas desfeitas nas complicadas ondas de Shida Point. Apesar das dificuldades causadas pelo mar, o campeão nacional registou simplesmente e com muita naturalidade a melhor performance do dia, conseguindo avançar para a 5.ª ronda do Ichinomiya Chiba Open, QS6000 que se disputa no Japão.

 

Kikas elevou o nível e serviu o momento alto do dia, com uma exibição em crescendo e onde comprovou que é um dos melhores surfistas do WQS no momento. Após o triunfo no QS3000 da Martinica, o surfista do Guincho tem mostrado um nível altíssimo no Japão, afirmando-se definitivamente como um dos favoritos ao triunfo final em Chiba. Para já está entre os 24 melhores surfistas e este sábado terá nova oportunidade de afirmação.

 

O dia só não foi perfeito para as cores nacionais porque Nic von Rupp não conseguiu repetir o feito do compatriota. Apesar de ter voltado a exibir-se a bom nível, foi por muito pouco que Nicolau acabou por ser eliminado no último heat da 4.ª ronda e do dia. A história até poderia ter sido diferente, graças a uma boa onda no final da bateria, mas foi por apenas um segundo que esta já não foi válida. A armada lusa ficou assim reduzida a apenas uma unidade.

 

Um nível acima da concorrência

 

Com o mar ainda pequeno e as condições mexidas, a organização do evento optou por adiar o call ao início da manhã. Foi já pela madrugada portuguesa que a 4.ª ronda arrancou finalmente, mas só lá para o final do dia os portugueses entravam em prova. Foi dessa forma que soube bem acordar pela manhã ainda a tempo de ver as prestações de Kikas e Nicolau. E não poderia ter sido um acordar mais saboroso...

 

No heat 9 Frederico tinha uma missão complicada pela frente, num heat recheado de juventude e de malta leve. Após um começo desencontrado com o mar, e onde viu os rivais afastarem-se, a meio do heat o português conseguiu encontrar a concentração e disparou completamente para a liderança. Com quatro ondas consecutivas, tanto para a esquerda como para a direita, Kikas não só virou a situação da bateria, como selava logo ali um triunfo fácil.

 

A demonstração de força de Frederico Morais deixou bem ciente que poucos surfistas estão com um surf tão polido, rápido, explosivo e bonito como o dele. A questão passa apenas por apanhar ondas com potencial, uma vez que em igualdade de circunstâncias é bem notório que está bastante acima da concorrência. Com 16,90 pontos somados (8,50 e 8,40), descartando ainda um 8,10, superou o taitiano Mateia Hiquily (13,90). Pelo caminho ficou o francês Nomme Mignot (13,80) e o havaiano Granger Larsen (13,46).

 

Agora, na 5.ª ronda terá pela frente o brasileiro Victor Bernardo e o norte-americano Evan Geiselman. Dois surfistas talentosos que certamente complicarão a vida ao português. Contudo, nesta próxima ronda apenas um surfista ficará pelo caminho, seguindo dois para os oitavos-de-final. Mesmo que a aventura de Kikas no Japão termine na próxima ronda, na bagagem já leva 1050 pontos para o ranking. Mas, mais do que isso, deixa-nos a sensação de que, com a determinação e foco que tem demonstrado, 2016 será o seu ano.

 

Segundo maldito

 

Foi preciso esperar até ao final do dia de competição para vermos Nic von Rupp em ação. Com o cinzento do céu a invadir o lineup, provocando visibilidade reduzida, o surfista da Praia Grande teve um arranque idêntico ao do compatriota. Os adversários começaram bem a disputa, mas faltavam ondas de qualidade para o lado de Nic. Foi, então, a meio do heat que Von Rupp começou a também conseguir mostrar a fibra de que é feito, muito por culpa das suas fortes pancadas de backside.

 

Com uma onda de 7,07, Nicolau ficava a precisar de um 6,88 para avançar para a 5.ª ronda. Ainda conseguiu um backup de 6,23, mas era preciso mais. O havaiano Tanner Hendrickson havia selado já o triunfo com 16,77 pontos, enquanto o neozelandês Billy Stairmand, com 13,94 pontos, era o alvo a abater. O tempo foi passando e parecia já impossível, até que surge Nicolau numa direita bem a seu gosto a causar destruição com duas manobras explosivas de backside.

 

Nic von Rupp ainda fez o claim e deixou-nos a pensar que a reviravolta milagrosa tinha acontecido. Contudo, a nota acabou por não ser validade. Puxando o filme atrás e possível ver que a buzina tinha acabado de dar o primeiro toque, quando o português se levanta da prancha. Foi praticamente por um segundo que a onda não foi válida, para infelicidade de Nicolau. Chegava assim ao final a sua participação neste Ichinomiya Chiba Open, conseguindo um 25.º posto final.

 

Foi um desfecho que deu um toque agridoce a este dia de competição em Shida Point. Ainda assim, a derrota azarada de Nicolau não pode apagar a excelente prestação de Frederico Morais. Mais do que ter alcançado o melhor score do dia, ficou a sensação de que será muito difícil travar o surfista português, que está num dos seus melhores momentos de forma. Mas no surf não há dias iguais e Kikas terá mais uma dura batalha este sábado. O alvo, esse, está cada vez mais definido e à vista: a qualificação para o WCT.



BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

FOTOGALERIAS