Rip Curl Pro Bells Beach: Rookies dizimam os favoritos e enchem o Tour de dúvidas

ff87fed9c1d4cbc837a96f73ed0464c7

Fanning foi dos poucos que conseguiu fazer com que a lógica imperasse nas direitas de Bells. Foto: WSL

 

Bells Beach ofereceu-nos esta segunda-feira aquelas que foram, muito provavelmente, as 3 horas mais surpreendentes e estranhas da história do World Tour. Em apenas 6 heats assistimos a um número quase recorde de eliminações inesperadas. Um vasto leque de candidatos ao título foi humilhado por jovens rookies. Caíram uns atrás dos outros. A esta razia só escapou Mick Fanning. E, vá, Jordy Smith...

 

Joel Parkinson, John John Florence e, no final, Medina. Todos eles foram incapazes de travar o sangue fresco que cruzou o seu caminho. Todos eles ficaram em maus lençóis. Eles e ainda Kelly Slater, que voltou a perder precocemente e fica agora num espaço em que não estamos habituados a vê-lo. A 3.ª ronda ficou completa e se olharem para os heats da fase seguinte é provável que pensem que o dia 1 de abril chegou mais cedo à Austrália.

 

A realidade é que o Tour prossegue a um ritmo intenso em surpresas. Se alguma casa de apostas tem surf para oferecer aos apostadores, deve estar a ter um prejuízo histórico. Pouca coisa faz sentido neste arranque de temporada e já nada se consegue prever. Este foi um dia que nos trouxe ainda mais dúvidas. Passamos a expô-las:

 

- Os rookies podem entrar na corrida pelo título? As caras novas têm dominado estas duas primeiras etapas. Se podem ir mais longe é difícil saber, mas a realidade é que se estão a impor e a bater o pé aos melhores com relativa facilidade. Lutar pelo título é algo muito difícil, mas a verdade é que neste momento só os rookies Conner Coffin e Caio Ibelli têm possibilidade matemática de igualar Wilko na liderança do ranking, caso este não chegue aos quartos-de-final. E isso já diz muito do que tem sido este arranque de temporada.

 

- Terá a WSL de segurar Fanning? O surf apresentado por Mick Fanning foi das coisas mais excitantes que se viu nesta rápido dia em Bells. O percalço em Snappers foi só mesmo isso, um percalço. O australiano está mesmo em grande forma e é pena que se vá retirar do Tour a tempo inteiro. Com a mediocridade que se instalou entre os favoritos, a sua saída criará um gap ainda maior. E se Eugene vencer em Bells? Não fará sentido a WSL tentar segurá-lo por mais umas etapas para não deixar cair o circuito em desinteresse?

 

- O que se passa com Medina? No início da época era fácil apontá-lo como o principal candidato ao título e como o melhor competidor da atualidade. Ganhar ou não ganhar, dependia apenas dele. Contudo, da fase estupendamente avassaladora com que acabou a última temporada, Medina passa para duas derrotas consecutivas na 3.ª ronda. O surf mostrado nem tem sido mau, apesar de um pouco repetitivo. Será uma questão de momento de forma ou apenas de azar? É certo que em Snapper perdeu para o melhor surfista do evento. Agora, foi derrotado por uma das caras novas mais subvalorizadas. Será só isso?

 

- O que são 4 centésimos? John John Florence voltou a ser eliminado no último minuto. A diferença para a Gold Coast, é que agora foi na 3.ª ronda e não nos quartos-de-final. O havaiano é dos que está a surfar melhor entre os favoritos – será que ainda faz sentido usar este termo no Tour deste ano? Contudo, foi eliminado por um guerreiro brasileiro que nunca desiste. Foram apenas 4 centésimos a ditar o adeus de John John. O quão difícil é avaliar a justiça de um resultado desses. A verdade é que, apesar da coragem e do power mostrado pelo rookie, o surf de Florence pareceu mais entusiasmante e com um nível técnico acima. Mas por um ponto se ganha e por um ponto se perde.

 

- Parko vai para animador? Joel Parkinson proporcionou um dos momentos mais animados do dia. Não se aguentou em pé e decidiu tentar o momento circense, ao executar algo parecido com um pino em cima da prancha. Um movimento aproveitado pela WSL para promover o lado "fun" do Tour. A verdade é que nem a boa disposição valeu ao australiano, que foi despachado por Conner Coffin. O californiano tem um surf lindo de se ver nestas direitas e, isso sim, é que foi uma animação. Quanto ao gesto de Parko, por mais divertido que seja, mostra bem o fogo que já não há por aquelas bandas.

 

- Pode Wilko vencer mais uma etapa? A verdade é que se olharmos para o surf que tem demonstrado desde o início do ano, temos apenas Mick Fanning, Julian Wilson e Jordy Smith com real valo para o travar. Isso e mais algumas surpresas até final. No próximo heat Matt Wilkinson vai medir forças com Wiggoolly Dantas e Mason Ho. Mesmo que não vença tem mais uma oportunidade e os possíveis adversários serão Italo Ferreira, Nat Young e Julian Wilson. Trocando por miúdos, Julian é o grande obstáculo de Wilko até uma possível final. Do outro lado do quadro, Fanning, Jordy e Coffin enfrentam-se num heat prometedor. Eles que se entendam, uma vez que o goofy australiano está mais amarelo que nunca.

 

- E Slater? O que é isto, Slater? Esta é a resposta que todos queriam saber. O que se passa com Slater? Está a surfar bem? Razoavelmente. O problema é nem sequer parecer focado na competição e conectado com o mar. Duas derrotas precoces colocam-no mais perto da luta pela "manutenção" do que pelo título. Sem querer colocar em causa a aura do rei, lutar pelo título só pode ser entendido como uma miragem neste momento. Mas fará sentido uma saída da competição desta forma? Não deveria ter saído pela porta grande? Bem, ele pode querer vencer ainda uma etapa e acreditar que isso é possível. Mas até lá vai sujeitando-nos a estas coisas que não queremos ver. A realidade é que o compromisso de Slater com o Tour vai muito mais além de ganhar ou perder um heat. A WSL precisa dele, é verdade. Mas ele – nomeadamente as suas causas e projetos – talvez também precise da WSL.

 

P.S.: Para acalmar os ânimos, a organização decidiu prolongar o espetáculo com um heat das Heritage Series. Barton Lynch, mesmo com 52 anos, mostrou que ainda mexe e deu um recital em Damien Hardman. Foi giro de se ver. Só mais uma dúvida. Por que não fazem um mini Tour de lendas?

 

Rip Curl Pro Bells Beach Remaining Round 3 Results:
Heat 7:
Mick Fanning (AUS) 16.60 def. Dusty Payne (HAW) 11.57
Heat 8: Jordy Smith (ZAF) 15.33 def. Kai Otton (AUS) 13.26
Heat 9: Conner Coffin (USA) 16.27 def. Joel Parkinson (AUS) 13.26
Heat 10: Michel Bourez (PYF) 14.83 def. Kelly Slater (USA) 13.70
Heat 11: Caio Ibelli (BRA) 15.54 def. John def. John Florence (HAW) 15.50
Heat 12: Davey Cathels (AUS) 15.40 def. Gabriel Medina (BRA) 12.07

 

Rip Curl Pro Bells Beach Round 4 Match-Ups:
Heat 1:
Italo Ferreira (BRA), Nat Young (USA), Julian Wilson (AUS)
Heat 2: Matt Wilkinson (AUS), Wiggolly Dantas (BRA), Mason Ho (HAW)
Heat 3: Mick Fanning (AUS), Jordy Smith (ZAF), Conner Coffin (USA)
Heat 4: Michel Bourez (PYF), Caio Ibelli (BRA), Davey Cathels (AUS)

 

Rip Curl Women’s Pro Bells Beach Round 4 Match-Ups:
Heat 1:  
Alessa Quizon (HAW) vs. Bianca Buitendag (ZAF)
Heat 2: Malia Manuel (HAW) vs. Stephanie Gilmore (AUS)
Heat 3: Nikki Van Dijk (AUS) vs. Tyler Wright (AUS)
Heat 4: Bronte Macaulay (AUS) vs. Tatiana Weston-Webb (HAW)

 



BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

FOTOGALERIAS