Rip Curl Pro Bells Beach 2016 – Antevisão

132ea58ab80e115a0156cff53cf1ab66

Históricas direitas australianas estão à espera dos melhores surfistas do Mundo. Foto: WSL

 

A elite do surf mundial prepara-se para rumar da Gold Coast até Victoria, onde se situa o mítico spot de Bells Beach. É lá que acontece o mais histórico dos eventos de surf. Foi em 1962 que a praia australiana acolheu o seu primeiro campeonato e desde então que se tem mantido sempre como ponto de passagem para os melhores surfistas do Mundo. Em 2016 não vai ser, obviamente exceção, e já está tudo a postos para a segunda paragem do World Tour.

 

Após uma surpreendente etapa em Snapper Rocks, que teve um desfecho imprevisível, muitas dúvidas poderão ser dissipadas em Bells. Será que os rookies, substitutos e wildcards vão continuar a provocar estragos entre os principais favoritos? Ou os nomes que habitualmente dominam o circuito vão regressar à sua melhor forma? Como irá ser a estreia de Wilko com a lycra amarela? A única certeza é que serão 36 surfistas no masculino e 18 no feminino a querer tocar o sino mais famoso do surf mundial. E, como se viu na etapa inaugural, qualquer um tem hipóteses de o fazer.

 

Entretanto, com a possibilidade de a prova se realizar logo nos primeiros dias e com o período de espera a arrancar já na noite de amanhã – dia 24 de março na Austrália – começam a afinar-se os últimos pormenores para este evento. É já conhecido o nome do último wildcard para o Rip Curl Pro Bells Beach... Embora poucos o conheçam. Tim Stevenson venceu a disputa dos trials entre os locais e vai assim enfrentar a elite mundial.

 

Quem é Tim Stevenson? Um surfista que se retirou da competição há 4 anos e que aproveitou o conhecimento local para ter a oportunidade de viver a sua semana de glória. Para começar vai logo enfrentar o campeão mundial em título Adriano de Souza. Agora, sim, parece que está tudo a postos para a elite mundial voltar à ação. Os sinos já podem tocar!

 

Spot do evento? Bells Beach é a onda principal, com os backups de Winkipop e - mais longe - Johanna Beach.

 

O que procuram os juízes? Se Bells apresentar condições clássicas os melhores surfistas do Mundo vão ter de aprimorar o seu jogo de rail. Aqui a onda vai ser pontuada como um quadro, querendo os juízes ver uma pintura bem feita do início ao fim. Claro que o surf progressivo também conta para a equação, principalmente se alguém inovar como Kelly Slater fez em 2012...

 

Previsões? O forecast apresenta-nos um início de período de espera bem agradável, com a entrada de dois swells consideráveis entre sexta-feira e domingo. É provável que a ação não arranque logo no dia inaugural da janela, mas no dia seguinte deverá haver festa. Até porque a ondulação é acompanhada de offshore.

 

Horário? Mais 10 horas que em Portugal Continental (8 horas na Austrália/22 horas em Portugal).

 

Quem vai estar em prova? Os 34 melhores e as 17 melhores surfistas do Mundo e ainda os vencedores dos Trials (Tim Stevenson e Tim Bisso nos homens e Brisa Hennessy nas mulheres).

 

Quem são os campeões em título? Mick Fanning e Carissa Moore.

 

Rookies? No Tour masculino há sete rookies: os australianos Davey Cathels, Jack Freestone e Ryan Callinan, os norte-americanos Kanoa Igarashi e Conner Coffin e os brasileiros Caio Ibelli e Alex Ribeiro. No WWT temos duas rookies: a australiana Keely Andrew e Chelsea Tuach (Barbados).

 

Locais de Bells no Tour? Nikki van Dijk e o vencedor dos trials locais, o tal de Tim Stevenson.

 

Quem está em altas? Adriano de Souza, Matt Wilkinson, Stu Kennedy, Kolohe Andino e Tyler Wright.

 

Quem precisa de um resultado? Praticamente todos, pois os circuitos ainda estão no começo. Mas Kelly Slater, Julian Wilson, Gabriel Medina, Jordy Smith e Sally Fitzgibbons não podem facilitar mais uma vez.

 

Apostas seguras? Mick Fanning, Adriano de Souza, Joel Parkinson, Tyler Wright, Carissa Moore.

 

Quem pode surpreender? Conner Coffin, Ryan Callinan, Keanu Asing, Dusty Payne, Bronte MaCaulay.

 

Darkhorse? Josh Kerr, Nat Young, Jordy Smith, Malia Manuel, Bianca Buitendag.

 

Lesões (conhecidas)? É das listas mais longas: Owen Wright e Bede Durbidge ainda recuperam de lesões graves e falham esta etapa e as próximas. Alejo Muniz também está no estaleiro. Em relação a Snappers há ainda a ausência de Filipe Toledo e Jack Freestone. Vão ser substituídos por Adam Melling, Stu Kennedy, Sebastian Zietz, Dusty Payne e Mason Ho. Nas mulheres, Lakey Peterson continua a ser baixa, entrando novamente Bronte MaCaulay para o seu lugar.

 

Rip Curl Pro Bells Beach Round 1 Match-Ups:

Heat 1: Jeremy Flores (FRA), Caio Ibelli (BRA), Davey Cathels (AUS)
Heat 2: Julian Wilson (AUS), Stuart Kennedy (AUS), Adam Melling (AUS)
Heat 3: Italo Ferreira (BRA), Kanoa Igarashi (USA), Dusty Payne (HAW)
Heat 4: Gabriel Medina (BRA), Conner Coffin (USA), Tim Bisso (GLP)
Heat 5: Mick Fanning (AUS), Keanu Asing (HAW), Mason Ho (HAW)
Heat 6: Adriano de Souza (BRA), Michel Bourez (PYF), Tim Stevenson (AUS)
Heat 7: Kelly Slater (USA), Kai Otton (AUS), Alex Ribeiro (BRA)
Heat 8: Joel Parkinson (AUS), Taj Burrow (AUS), Sebastian Zietz (HAW)
Heat 9: Matt Wilkinson (AUS), Kolohe Andino (USA), Miguel Pupo (HAW)
Heat 10: Nat Young (AUS), Adrian Buchan (AUS), Ryan Callinan (AUS)
Heat 11: Josh Kerr (AUS), Wiggolly Dantas (BRA), Matt Banting (AUS)
Heat 12: John John Florence (HAW), Jordy Smith (ZAF), Jadson Andre (BRA)

 

Rip Curl Women's Pro Bells Beach Round 1 Match-Ups:

Heat 1: Stephanie Gilmore (AUS), Bianca Buitendag (ZAF), Chelsea Tuach (BRB)
Heat 2: Sally Fitzgibbons (AUS), Malia Manuel (HAW), Alessa Quizon (HAW)
Heat 3: Carissa Moore (HAW), Keely Andrew (AUS), Brisa Hennessy (HAW)
Heat 4: Courtney Conlogue (USA), Nikki Van Dijk (AUS), Laura Enever (AUS)
Heat 5: Tyler Wright (AUS), Sage Erickson (USA), Coco Ho (HAW)
Heat 6: Joanne Defay (FRA), Tatiana Weston-Webb (HAW), Bronte Macaulay (AUS)

 



BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

FOTOGALERIAS