Camilla Kemp vice-campeã na África do Sul; Brasileiro e havaiana com domínio absoluto

7016e91580d50799bf9908b0e83f850e

Surfista do Guincho subiu ao pódio nesta competição com um nome bem especial... Foto: WSL

 

A portuguesa Camilla Kemp alcançou um prestigiante 2.º lugar no Jordy Smith Cape Town Pro, um QS1000 em nome da estrela sul-africana, que se estreou em 2017 no calendário do WQS. A surfista do Guincho apenas foi travada pela havaiana Zoe McDougall na final, conseguindo, ainda assim, o melhor resultado da temporada.

 

Camilla foi a única portuguesa em prova, tendo entrada direta para os quartos-de-final do evento. Tanto nos quartos-de-final, como nas meias-finais a portuguesa conseguiu avançar no segundo posto dos respetivos heats, marcando presença no heat decisivo. Aí somou 8,37 pontos e bateu a sul-africana Nicole Pallet (8,13) e a japonesa Reika Noro (7,33), mas foi batida por McDougall (14,50).

 

McDougall confirmou assim em Cape Town um domínio avassalador nesta perna sul-africana do WQS, recheada de QS1000. Depois de ter vencido o Corona Durban Surf Pro, em abril passado, a havaiana fez um segundo lugar no Vans Surf Pro Classic, em Lamberts Bay, no início deste mês, conquistando ainda o Volkswagen SA Open of Surfing, em Durban, a meio do mês.

 

Com este importante resultado, Camilla Kemp 750 pontos para o ranking mundial, que foram úteis para entrar dentro do top 50, para além de alguns dólares a mais na conta. Agora, Camilla segue viagem para Ballito, onde na próxima semana se realiza um QS1000 feminino, ao mesmo tempo que o primeiro QS10000 masculino da temporada. Kemp e Teresa Bonvalot serão duas das top seeds do evento.

 

Já na prova masculina, também um QS1000, Henrique Pyrrait foi o único português em prova. O jovem da Ericeira conseguiu avançar até à 2.ª ronda, onde acabou por perder, terminando a participação no evento sul-africano no 49.º posto. O triunfo final acabou por sorrir ao brasileiro Alex Ribeiro, depois de vencer uma final totalmente canarinha frente a Marcos Correa, deixando o adversário em combinação.

 

O ex-surfista do WCT, que foi rookie da elite mundial em 2016, acabando por cair do Tour no final do ano, esteve a um nível altíssimo durante todo o evento e, tal como Zoe McDougall, consumou o segundo triunfo consecutivo nas ondas sul-africanas, depois de também o já ter feito no Volkswagen SA Open of Surfing, em Durban, esse um QS3000. Alex Ribeiro provou assim estar em boa forma para lutar pelo regresso ao World Tour em 2018, ele que com este resultado ascendeu à vice-liderança do ranking do WQS, apenas atrás do compatriota Jesse Mendes.



BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

FOTOGALERIAS