Digno de Hollywood: Owen Wright vence o Quiksilver Pro Gold Coast. E Stephanie também!

40570333 max

Qual fénix renascida das cinzas, Owen Wright foi protagonista de um guião nunca antes visto por aí... Foto: WSL

 

O melhor Quiksilver Pro Gold Coast dos últimos anos recentes chegou ao final na madrugada de sábado e ofereceu-nos dois vencedores regressados aos lugares mais altos do pódio. Cada um à sua maneira. Se Stephanie Gilmore utilizou a sua graciosidade única para voltar a usar a coroa que lhe pertence por direito, o que dizer do triunfo hollywoodesco de Owen Wright. Esse mesmo que há um par de semanas ainda tinha a carreira em risco.

 

Num dia final recheado de emoções fortes e surf de alto nível, não foram apenas os "super heats" que a WSL soube promover. Também o desfecho surpreendente do campeonato foi digno de novela. E a surpresa não foi tanto pela qualidade ou talento do vencedor masculino, mas, sim, pela forma como ao longo dos últimos meses nos foram fazendo acreditar que Wright estava praticamente inválido.

 

Recuemos então no tempo. Em dezembro de 2015 Wright sofre um tremendo wipeout em Pipeline que o arredou da luta pelo título mesmo antes do Pipe Masters arrancar. Durante semanas a informação sobre o sucedido nunca foi conclusiva. Após um salvamento dramático ficou hospitalizado no Havai. Várias semanas depois a gravidade da lesão começava a aumentar e especulavam-se até danos cerebrais.

 

Owen não competiu em 2016, dando razão à especulação do início da temporada que já adivinhava esse desfecho. A meio do ano voltou à água e, novamente, a especulação – e aqui inclusivamente o próprio surfista australiano... - falam numa situação dramática em que o goofy já nem sequer conseguia estar em pé numa prancha. Ao que tudo indica, o processo de recuperação foi complexo e prolongado e, pelas histórias contadas, envolveu uma reaprendizagem de como deslizar nas ondas.

 

No final do ano passado a WSL anuncia um wildcard para o gigante australiano, devido à lesão sofrida. A maldita especulação avançava que era até possível que Owen nunca mais voltasse a competir, devido aos danos causados pela lesão. O suspense manteve-se e a WSL referiu que o regresso de Wright ao Tour apenas aconteceria se este passasse nas avaliações médicas. Algumas histórias voltavam a frisar as dificuldades na recuperação...

 

Há poucas semanas foi anunciado com pompa e circunstância o regresso à competição em Newcastle. Owen Wright fez umas ondas e, pasmem-se, até ganhou alguns heats com pontuações fortes. Parou até Snappers e eis que surge ele a ganhar confiança a pouco e pouco, passando rondas e batendo os favoritos. Tudo terminaria com o triunfo final, surfista em ombros rodeado pela família e todos a exultarem uma vitória épica. Talvez poucos acreditassem nele, sobretudo devido às limitações que lhe foram colocando em cima dos ombros. E também isso contribuiu para este final à Hollywood.

 

A WSL já há algum tempo que anda a saber "americanizar-se". Foi bonito, sim. Nem sequer está em causa a justiça do triunfo de Owen, muito menos a sua qualidade, que mesmo antes da lesão já justificava um título mundial. No entanto, algo foi muito extrapolado nesta história. Se não foi o capítulo final, então andaram a enganar-nos com "bolos" durante o último ano. A sério que acreditam que alguém que surfa a este nível estava "acabado", como o descreveram, ainda há uns dias?

 

Sim, é verdade que Gabriel Medina ganhou um emocionante heat frente a Kelly Slater, sendo que o norte-americano é dos que menos derrotado sai de Snapper Rocks, até pela fome de competição que mostrou. Também não é mentira que John John Florence ajudou à festa e só foi travado, por muito pouco, por um Wilko novamente em êxtase. Mas, mais do que isso, a qualidade evidenciada pelas mulheres, com Lakey Peterson e Stephanie Gilmore à cabeça, foi de uma espetacularidade e intensidade únicas.

 

Steph voltou a vencer e a encher o olho de todos os fãs de surf. Agora, lidera a corrida para aquele que pode ser o seu sétimo título mundial. Pela primeira vez na história recente da WSL poderíamos ter um resultado feminino a sobrepor-se em mediatismo à prova masculina. Gilmore fez por isso e merecia tal distinção. Mas a "realidade" ofereceu-nos um triunfo de Owen Wright e a partir daí tudo foi ofuscado. Estamos ansiosos pelas cenas do próximo capítulo...

 

Quiksilver Pro Gold Coast Final Results:
1 -
Owen Wright (AUS) 14.66
2 - Matt Wilkinson (AUS) 13.50

Quiksilver Pro Gold Coast Semifinal Results (1st to SF, 2nd = 5th):
SF 1:
Matt Wilkinson (AUS) 15.90 def. John John Florence (HAW) 15.50
SF 2: Owen Wright (AUS) 15.74 def. Gabriel Medina (BRA) 10.44

Quiksilver Pro Gold Coast Quarterfinal Results (1st to SF, 2nd = 5th):
QF 1:
Matt Wilkinson (AUS)  15.00 def. Joel Parkinson (AUS) 12.37
QF 2: John John Florence (HAW) 14.86 def. Italo Ferreira (BRA) 12.33
QF 3: Owen Wright (AUS) 13.00 def. Connor O'Leary (AUS) 11.76
QF 4: Gabriel Medina (BRA) 14.34 def. Kelly Slater (USA) 13.83

2017 WSL Men’s Jeep Leaderboard (After Quiksilver Pro Gold Coast):
1 -
Owen Wright (AUS) 10,000 pts
2 - Matt Wilkinson (AUS) 8,000 pts
3 - John John Florence (HAW) 6,500 pts
3 - Gabriel Medina (BRA) 6,500 pts

Roxy Pro Gold Coast Final Results:
1 -
Stephanie Gilmore (AUS) 16.60
2 - Lakey Peterson (USA) 12.66

Roxy Pro Gold Coast Semifinal Results (1st, 2nd):
SF 1:
Lakey Peterson (USA) 18.60 def. Johanne Defay (FRA) 13.70
SF 2: Stephanie Gilmore (AUS) 16.27 def. Sally Fitzgibbons (AUS) 14.86

Roxy Pro Gold Coast Quarterfinal Results (1st to SF, 2nd = 5th):
QF 1:
Johanne Defay (FRA) 13.44 def. Nikki Van Dijk (AUS) 9.50
QF 2: Lakey Peterson (USA) 17.10 def. Tyler Wright (AUS) 9.93
QF 3: Sally Fitzgibbons (AUS) 14.00 def. Keely Andrew (AUS) 13.63
QF 4:  Stephanie Gilmore (AUS) 17.50 def. Carissa Moore (HAW) 13.83

2017 WSL Women’s Jeep Leaderboard (After Roxy Pro Gold Coast):
1 -
Stephanie Gilmore (AUS) 10,000 pts
2 - Lakey Peterson (USA) 8,000 pts
3 - Johanne Defay (FRA) 6,500 pts
3 - Sally Fitzgibbons (AUS) 6,500 pts

 



BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS

FOTOGALERIAS